sábado, 9 de abril de 2011

VEJA A FICHA ESCOLAR DO ASSASSINO WELLINGTON

'Um aluno invisível', diz diretor da escola sobre Wellington

                                    Sempre isolado, de cabeça baixa e evitando falar com os colegas de turma. Era assim que  Wellington Menezes de Oliveira, 24 anos, passou seu período escolar. Segundo o diretor da Escola Municipal Tasso da Silveira, Luís Marduk, de 55 anos, ele era "um aluno invisível”. Não chamava atenção e passava despercebido entre os colegas e professores.

>> VÍDEO: Imagens exclusivas mostram momento que atirador dispara contra crianças

"Ele era introvertido, tinha dificuldade de trabalhar o coletivo. Era um aluno pouco notado, tanto para positivo quanto para o negativo. Nunca teve comportamento que saísse do normal.  Nada que merecesse algum tipo de tratamento, de estratégia na questão de comportamento. Ele era um aluno invisível”, disse Marduk.

Ex-colega de turma de Wellington, o carregador Jorge dos Santos, 25 anos, o considerava um aluno inteligente. “Ele nunca tinha dúvida de nada. Passava de ano sem dificuldade”, lembrou ele. O office-boy Fábio dos Santos, 27 anos, contou que Wellington sempre se recusava a jogar futebol com os garotos da escola e que ficava na calçada de casa assistindo as partidas no campo que ficava perto do colégio. “Ele só tocava na bola quando ela caia no quintal da casa dele”.
Foto: Reprodução

Psicopata mata 12 estudantes em colégio municipal

Manhã de 7 de abril de 2011. São 8h20 de mais um dia que parecia tranquilo na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, Zona Oeste. Mas o psicopata que bate à porta da sala 4 do segundo andar está prestes a mudar a rotina de estudantes e professores, que festejam os 40 anos do colégio. Wellington Menezes de Oliveira, um ex-aluno de 24 anos, entra dizendo que vai dar palestra. Coloca a bolsa em cima da mesa da professora, saca dois revólveres e dá início a um massacre em escola sem precedentes na História do Brasil. Nos minutos seguintes, a atrocidade deixa 12 adolescentes mortos e 12 feridos.

Transtornado, o assassino atacou alunos de duas turmas do 8º ano (1.801 e 1.802), antiga 7ª série. As cenas de terror só terminam com a chegada de três policiais militares. No momento em que remuniciava dois revólveres pela terceira vez, o assassino é surpreendido por um sargento antes de chegar ao terceiro andar da escola. O tiro de fuzil na barriga obriga Wellington a parar. No fim da subida, ele pega uma de suas armas e atira contra a própria cabeça.

Na escola, a situação é de caos. Enquanto crianças correm — algumas se arrastam, feridas —, moradores chegam para prestar socorro. PMs vasculham o prédio, pois havia a informação da presença de outro atirador. São mais cinco minutos de pânico e apreensão. Em seguida, começa o desespero e o horror das famílias.
Fonte: O dia On(Cristina)

4 comentários:

davi disse...

pra mim ele nao era doido nao ele concerteza sofreu algun tipo de umilhaçao e quis se vingar de todos querendo se vingar dos alunos que ele matou mas se deus sabe o que faz e nao e a gente que vai fazer justiça e deus entao portanto que seja feita a vontade de deus....

laryssa disse...

Na minha opinião ele deve ter sofrido algum tipo de "bulling" ou seja algum tipo de humilhação ou ate mesmo discriminação ou ataque físico e agora que ele resolveu se vingar dos alunos,pois na quele tempo ele não tinha coragem,depois te ter lido o livro de islamismo percebeu que o certo a fazer para se vingar era isso.
que deus coloque aquelas crianças em um bom lugar......

Anônimo disse...

Deus não existe.

Anônimo disse...

Para mim akele cara e um idiota matar pessoas inocentes.